O jornalista é você

Achar que jornal é coisa para jornalista é estar completamente por fora, sabia? É ter um pensamento de dinossauro e ignorar que a mídia não é feita por “ellllesss”. Você pode e deve fazer parte do processo. Basta presenciar uma história e contá-la. Ao fazer isso, você já está reportando.

Você pode divulgar suas idéias e pode fazer isso de várias formas. O que eu quero discutir é a enorme gama de possibilidades. Escolha sua forma de expressão, escolha mais de uma. Fale alto e diga o que você pensa.

Não vou nem falar de um século atrás, porque seria covardia. Mas quando eu era adolescente (ok, no século passado), fazer um jornal sobre quadrinhos dava um trabalhão… Eu precisava de computadores que custavam o equivalente a uns R$ 10 mil, cópias que custavam caro e a coisa toda era bem complicada, heróica. Hoje, um computador custa menos de mil reais, uma impressora sai por uns R$ 300 e um toner genérico custa uns R$ 30. É tudo muito mais simples. E lembre-se que você nem precisa imprimir suas idéias. Pode fazer um blog, um podcast, um vidcast!

É disso que vou falar aqui. Vamos projetar um jornal, um blog, um podcast e um vidcast. Vamos discutir a dificuldade e o custo. No meio disso tudo, você vai perder o medo e fazer o seu.

1. Sobre o que você quer falar?

É a primeira pergunta. Do que você gosta? O que faz você se levantar do sofá, desligar a TV e botar mãos a obra para criar um jornal ou algo do tipo? Você gosta de filmes? De música? Não, melhor, você curte um cantor ou um grupo e quer falar sobre eles obsessivamente?

Digamos que você quer ajudar as pessoas na sua rua. Quer unir todo mundo ao redor de um objetivo. Ou você é o síndico do seu prédio e quer que os condôminos participem mais do que acontece ali dentro? Você ou alguém da sua família sofreu um evento traumático que o faz querer se manifestar. Seu motivo pode ser altruísta ou egocêntrico. Não importa. Você precisa saber o que o faz querer erguer sua voz no meio da multidão. Encontre essa resposta e o primeiro passo está dado.

Eu comecei meu blog porque queria manter contato com os amigos e falar de coisas que não conseguia discutir no meu trabalho diário. Criei este projeto que você está lendo porque senti que precisava ajudar as pessoas a organizarem seu sonho de se comunicar. Eu quero que, quem quer que estiver lendo essa página, perca aquela dúvida e resolva fazer seu jornal, seu blog, seu mural… Seja lá o que for.

Foi isso que me fez levantar do sofá. E você?

2. Com quem você quer falar?

Respondida a primeira pergunta, fica mais fácil saber a resposta para a segunda. Quando eu sei sobre o que eu quero falar, decido para quem. Quando decido para quem, fica mais fácil saber como.

Assim, se eu quero entrar em comunhão com meu condomínio, uma boa forma de alcançar todo mundo seria por meio de uma pequena newsletter impressa em uma página de papel ofício ou A4, frente e verso. Ou ainda um mural bem sacado, como fotos e textos curtos e informativos. Se seu condomínio for high tech e tiver um sistema interno de TV, você conseguiria até fazer um canal de televisão.

Mas, se você gosta de um grupo musical ou de um gênero que tem fãs em todo país, poderia criar uma página na internet. Melhor ainda, se você gosta de música, porque não fazer um podcast sobre o assunto?

Mas entenda que, quando você quer atingir um público maior e imprimir uma revista de 36 páginas na casa de fotocópias da esquina a coisa começa a complicar e pode se tornar inviável. Uma solução razoável seria optar pela internet e seus meios de distribuição rápidos e baratos.

Da mesma forma, fazer uma homepage para o condomínio pode não ser tão eficiente, porque você quer falar com todo mundo, inclusive com quem não tem internet.

3. Quanto você tem para gastar?

Voltando ao exemplo do condomínio… Você quer se comunicar, mas quer gastar pouco. Quer atingir quem tem e quem não tem internet. Sabe que um mural seria legal, mas que muitas pessoas entram e saem pela garagem, o que tornaria inviável aquele mural na entrada de serviço. A saída é a newsletter em A4 ou ofício. Você monta no seu editor de texto, imprime, copia na esquina e, com cerca de R$ 20 ou R$ 30 por mês, consegue se comunicar com todo mundo no condomínio.

Mas você gosta de bolero. Que se dane seu condomínio!! Quer achar outras pessoas que amam o assunto pelo país e a melhor saída (depois de participar de uma comunidade no Orkut) seria fazer seu blog ou seu podcast sobre bolero. É barato. Você precisa, claro, ter um computador e um microfone razoavelmente bom. O resto é feito com ferramentas gratuitas encontradas na internet.

Digamos que você tem mais dinheiro. Algo como R$ 200 a R$ 300 por mês para gastar em seu projeto pessoal. É raro, mas você pode ter amigos tão apaixonados que se dispõem a pagar uma mensalidade para manter a chama acesa. Seria possível até fazer um jornalzinho com 16 páginas (3 páginas de A4 dobradas…) e mandar pelo correio.

Então descubra o que quer fazer, com quem quer falar e quanto pode gastar. Nosso próximo passo é falar das opções de meios para expressão e quanto cada um custaria mais ou menos.

Vá para a Parte 2

Vá para a parte 3

Conte para os amigos!