Arquivos da categoria: Religião

O contra-ataque da campanha ateísta

O contra-ataque chegou. Três grupos religiosos cristãos resolveram fazer suas campanhas pró-deus nos ônibus londrinos, em resposta àquela feita pelo grupo ateísta.

Vamos rememorar. O slogan era: Provavelmente, Deus não existe. Então pare de se preocupar com isso e aproveite a vida.

A Christian Party veio com essa frase em 50 ônibus: Definitivamente Deus existe. Então se junte à Christian Party e aproveite a vida.

A Igreja Ortodoxa Russa saiu com esse, em 25 ônibus: Deus EXISTE. ACREDITE. Não se preocupe e aproveite a vida.

A Trinitarian Bible Society colocou o salmo 53.1 em 100 ônibus: Diz o néscio no seu coração: Não há Deus.

É guerra mesmo. Os anúncios ateístas geraram protestos de pessoas que se sentiram ofendidas. Muitas delas diziam que os ateus não tinham como provar a não-existência de Deus. Felizmente a comissão que decide se houve abuso na publicidade agiu com um mínimo de decência e não deu ouvidos a esses absurdos.

Dois pesos…

Morreu o filho do John Travolta pouco menos de uma semana atrás e (enquanto o cara sofre a perda de um filho) ficam especulando se a crença do ator na cientologia teria sido responsável por ele negar algum tipo de tratamento ao garoto.

Essa perseguição toda à cientologia é meio patética. Como é que qualquer pessoa capaz de crença religiosa (cristã, muçulmana, espírita, escolha) pode ridicularizar ou criticar outra? É muito topete achar que sua crença é a correta e que a dos outros está COMPLETAMENTE errada. Ridículo.

Oh. Então as pessoas acreditam em criacionismo, em um universo de cinco mil anos, em concepção sem espermatozóide, em comunicação com mortos que vivem em uma dimensão paralela e vão e voltam sem (convenientemente) lembrar de nada e acham cientologia ridícula?

Só para ficar claro: idéias cientológicas são “ridículas”. Mas seria útil o religioso médio fazer um exame de consciência e sacar quantos absurdos por segundo ele engole. O buraco é mais embaixo.

Ah. Que sono.

Provavelmente, Deus não existe.

Ateus ingleses resolveram lançar uma campanha nos ônibus por um mês para contrabalançar as toneladas de anúncios de entidades religiosas nas ruas. Alguns avisam que, sem ajuda, a pessoa vai queimar no inferno. Oh, bloddy hell!

A mensagem é: Provavelmente, Deus não existe. Então pare de se preocupar com isso e aproveite a vida.

A campanha, que teve início com uma convocação da jornalista e comediante Ariane Sherine, chegou a ganhar apoio de Richard Dawkins. Ele prometeu que, se o grupo arrecadasse 5500 libras, ele colocaria essa soma nos cofres da organização.

E prepare-se, porque Bill Maher, um dos mais interessantes comediantes da TV americana, resolveu juntar-se a Larry Charles (o diretor de Borat) para lançar o filme Religulous. Eu tentei ver aqui em Londres e a seção lotou. Mas consegui participar de um painel em que ele comentava seu trabalho no filme. Passou aí na mostra?

O tom errado

A religião é uma escolha pessoal. Se é que é uma escolha mesmo… Ou, sei lá, uma pré-disposição de cada um. Mas o fato é que, assim como entra-se em (ou muda-se) uma religião por conta de suas escolhas, a saída de uma religião para o agnosticismo ou o ateísmo também é algo pessoal, feito internamente.

O vídeo abaixo é até engraçado, mas o que me incomoda é a atitude zombeteira e paternalista dos apresentadores ateus. Sempre odiei esse tom de superioridade. Não é monopólio dos ateus, de forma nenhuma. Sempre que tentaram me converter para qualquer que fosse a religião da vez, agiram com essa mesma atitude arrogante, só que sem o senso de humor. É que o tom é diferente, mas as motivações, na maioria das vezes, são as mesmas: a sensação de que o outro é um ignorante e que você detêm o conhecimento especial.

Ora bolas, é claro que, quem tem uma opinião, uma posição, a tem porque a acha mais correta. Mas a atitude da discussão pressupõe uma postura mais aberta e respeitosa da posição do outro. Principalmente em um assunto que é de foro tão pessoal.

O raciocínio lógico dos caras, no entanto, é cristalino.

No que você acredita?

Eu já falei um pouco deste assunto aqui. Como bom ateu convicto, li Letter to a Christian Nation, do Sam Harris, Quebrando o Encanto, do Daniel C. Dennett, e Deus, Um Delírio, do Richard Dawkins.

Dawkins é um dos expoentes de um movimento de novos ateus que passam a pregar contra a religião. Por eles, essa convivência respeitosa acaba e os ateus devem se colocar numa posição mais ativa na busca do que enxergam como o fim da ignorância. É algo como evangelizadores do ceticismo. Ou seja, além dos chatos que tentam converter você pra religião deles, entramos na era dos chatos que tentam te converter pra… não-religião?

Continue reading

O que diabos é Saga Doktrino?

É uma religião? É uma seita apocalíptica?
A melhor pessoa para responder isso é um cara chamado Bruno Accioly que começou um weblog com esse nome estranho no endereço www.sagadoktrino.org.
Ah, sim. O que eu posso falar sem correr o risco de dizer alguma besteira é que o nome vem do esperanto e significa Doutrina Sensata. É uma forma de ver e investigar o mundo e até mesmo os assuntos considerados misteriosos ou sobrenaturais sob um ponto de vista científico. Mas não é parapsicologia, nem espiritismo, nem ciência cristã e não recorre a expedientes fáceis de procurar explicações simplistas para perguntas difíceis.
Para entender melhor o que é isso, dê uma olhada de vez em quando no site. Este signatário foi convidado a colaborar ocasionalmente, não sei se estou a altura, mas vou tentar.