Arquivos da categoria: Informação Precisa Ser Livre

A estupidez das multidões

Em seu livro “A Sabedoria das Multidões”, James Surowiecki explica como conectadas pelos novos meios digitais, uma multidão de leigos pode tomar decisões melhores do que certos especialistas. Eu lembro disso quando vejo a história da moça que foi ridicularizada por uma turba de imbecis numa faculdade de São Paulo. Porque essa semana, alguém que viu esse vídeo ao meu lado fez esse comentário sobre a burrice das multidões e mandou uma espécie de alusão a obsessão por “multidões” de quem trabalha com internet e mídias sociais.

Muito legal. Obrigado por exprimir uma opinião e tudo mais. É bonito ter interesse nos assuntos e coisa e tal. Mas corre-se o risco de virar-se um Andrew Keen, que escreveu um livro inteiro (O Culto do Amador) baseado no seu bico por ver que pessoas sem pedigree estavam ganhando importância e suplantando gente como ele. A Sabedoria das Multidões é um livro muito bem sacado, muito bem embasado e muita gente que não leu fala muita besteira sobre ele. Só isso.

Continue reading

Vírus e anti-vírus

Nos últimos anos, pra mim, viral era vídeo, idéia, meme. Ontem caiu a ficha pra mim de que num mundo globalizado viral continua sendo o que sempre foi: vírus que se espalha como… como uma gripe… suína.

Uma pessoa com a suspeita da gripe está aqui no hospital do lado do campus em que eu estou morando. Logo ali. Eu vejo o hospital sempre que saio do apartamento.

Alguns meses atrás, foi lançada aqui uma série chamada Survivors. Era baseada num seriado dos anos 70 e mostrava o que aconteceria se 90% da população mundial fosse aniquilada por uma variante mortal da gripe. A Inglaterra entra em colapso e, nos seis episódios, um grupo de pessoas tenta se estabelecer nesse ambiente desolado.

Voltemos ao mundo real, onde coisas terríveis como pandemia de gripe e aviões derrubando torres em grandes cidades são eventos que não acontecem (?). Como a Inglaterra é uma ilha, as autoridades ficam muito atentas a qualquer movimento desse tipo. Uma doença que se espalhe muito rápido num país com sistemas de transporte eficientes tem mesmo potencial para quase dizimar um país com essas características. As regras para, por exemplo, trazer um animal para a Inglaterra são extremamente rígidas. Seis meses de quarentena, atestados e tudo mais. Por conta disso, nem pude pensar em trazer o Darwin comigo. Acredite, eu teria dado conta dele e teria sido sensacional com esses parques que eu tenho aqui perto.

Os medos não são infundados. Basta andar no metrô, basta circular pelas insuportavelmente lotadas Oxford street, Regent street, Picadilly Circus, Leicester Square. Ali, todo mundo é de fora. Milhares de pessoas vindas de todos os cantos do mundo. Num lugar como esse, espalhar uma doença intensamente contagiosa como uma gripe é brincadeira de criança. Contra isso, todas as câmeras, todos os policiais e regras não valem nada. Mais um motivo pro típico morador das grandes cidades ter medo, muito medo.

Mas, e tem sempre um mas. Voltando ao início deste texto, estamos na era em que os virais são mais do que virus biológicos. São idéias, informação. Então, é hora de pormos isso a nosso favor. Todos têm internet, celulares, TV. Como eu disse, câmeras e guardinhas não adiantam muito. Mas, de novo, a multidão, tão propícia a pegar vírus e se aniquilada, pode ser a solução. A informação sobre como se proteger ou a identificação rápida de focos possíveis de contaminação podem evitar uma tragédia. A informação, o compartilhamento, podem ser o anti-vírus que a gente precisa contra um vírus letal. E ler esse post (que eu descobri com a ajuda do @doni, no Twitter) também ajuda muito.