Arquivos da categoria: História Sem Noção

Quem quer virar um vampiro?


Não é fácil manter esses corpinhos por toda a eternindade (e sim, eu sei que a Sookie não é vampira*)

Por duas semanas, todo nosso tempo livre foi dedicado a ver as três temporadas de True Blood. No meio dessa correria, tirei um daqueles cochilos delirantes e…

Você sabe, né? Vampiros ficam para sempre na forma que tinham quando foram transformados. Vai daí que, seu eu fosse avisado de que iria virar um vampiro, ia pedir um tempinho e correria alucinadamente para a academia. Iria lutar pra perder uns bons dez quilos, cortaria os cabelos direito, faria a barba. Poxa, todos os vampiros passam a eternidade sendo os gostosões, porque seria eu o vampiro gordinho e desgrenhado da turma?

Aí, pensei eu, isso dava um formato, digamos, matador, de reality show.

Imagine 10 pessoas em uma casa com as janelas sempre fechadas disputando a chance de virar vampiros. Elas passariam por diverrsas provas e deveriam perder peso, ficar mais bonitas e bem cuidadas para ser escolhidas por um vampirão. Isso mesmo, a cada semana, um monte de provas de resistência, inteligência, tomadas de peso tipo de Biggest Loser, aquele reality show para gordinhos.

Mas o momento mais esperado seria aquela hora em que o vampirão sedutor (e meio afeminado) ou a vampirona gostosa (e meio vagaba) escolheria a pessoa que iria ser desclassificada. Fiquei pensando em como resolver esse momento. No Aprendiz, o apresentador diz “Você está demitido!”, no americano, a frase é “you are fired!”.

Pois no nosso reality show (que se chamaria “Quer Ser um Vampiro?”), a vampirona faria aquele veredicto sacana: “Fulano, você não emagreceu o suficiente, vomitou quando bebeu sangue de galinha e não agüentou dormir uma noite em um caixão porque tem claustrofobia. Não pode ser um vampiro!”, e terminaria com um trocadilho safadinho em inglês: “You suck!”. A pessoa sairia dali com sua malinha e as portas se abririam para um belo dia ensolarado e luminoso.

Aí, naquelas traduções dos canais a cabo, rolaria aquela dublagem tosca e sem sincronia. Colocariam o vampiro olhando nos olhos do pobre desclassificado e dizendo: “Chuupaaa!”.

Pois é. Isso é que dá ver True Blood demais em pouco tempo. Pirei.

(*Nota importante do autor: a personagem da Anna Paquin em X-Men, Rogue, foi chamada de Vampira nas revistas brasileiras…)