Casillas, os heróis das Copas e o final feliz

O esporte volta e meia nos oferece histórias que, se contadas assim, fora de contexto, ninguém acreditaria. O último grande conto de superação que eu vi acontecer foi o de Ronaldo. Um jogador que foi dado como acabado e, em 2002, deu a volta por cima de forma inacreditável. Ganhou a Copa, depois de ter sido citado como o responsável pelo fracasso inexplicável de 1998. Naquela vitória incrível saiu como uma espécie de super-herói pra mim.

Nesta Copa, Casillas protagonizou seu conto mítico. Quando a Espanha perdeu para a Suíça no primeiro jogo, chegou a ser criticado pela imprensa esportiva de seu país porque sua namorada, a repórter de TV Sara Carbonero, o teria distraído. A bela Sara cobriu os jogos da Espanha de dentro do campo e estava atrás do gol de Casillas.

Pois ontem protagonizou momentos sensacionais. Primeiro em campo, fazendo defesas incríveis que salvaram seu time, tornando possível vencer a Copa com o magro 1 a 0. Depois, ao chorar emocionado quando Iniesta fez o gol da vitória do seu time. Por fim, ergueu a taça e deu a Volta Olímpica (ou tentou, já que houve uma invasão patética do campo). Diante das câmeras, foi entrevistado por Sara, com tinha acontecido em outros jogos.

Aconteceu uma daquelas situações que, se contadas por aí, você diria que é cascata. Ou, mesmo num filme, a gente diria, “po que finalzinho bobo de filme amerticano”.

Aconteceu isso aqui ó:

O que veio depois? Fade out. The End

Conte para os amigos!

Nenhum Comentário