Na era das comunidades onipresentes, solidão para quê?

Estava lendo um artigo do sempre ótimo Steven Johson na Time. Acompanho o blog do Jeff Jarvis há algum tempo e estava “lá” quando ele avisou ao mundo em sua conta do Twitter que estava com câncer de próstata. Depois, quando fez a cirurgia. E assim foi.

Algumas semanas atrás, um dos meus cachorros, o Carl Sagan, morreu. No dia seguinte, eu descobri que meu outro cachorro, o Charles Darwin, tinha câncer. Não era o meu câncer, mas era como se fosse. Comecei a twitar e blogar sobre isso.

E por quê?

Simples. Me fez sentir melhor. Me fez ver que eu realmente não estava passando por aquilo “sozinho” (eu não estava de qualquer modo, já que minha mulher, irmã, mãe acompanharam tudo. Mas estamos falando metaforicamente). Nas semanas seguintes, em vez de melhorar a coisa piorou. O tumor voltou à pata do Darwin e a situação clínica dele começou a piorar sensivelmente. Depois de uma luta insana, nos vimos diante da dura realidade de ter que amputar a patinha dele. Só que o Darwin estava fraco agora. Podia não voltar dessa.

Na manhã do dia 10 de maio, meu cachorro entrou em cirurgia e eu postei no Twitter que ele estava correndo risco de vida e, sinceramente emocionado, escrevi a hashtag #voltadarwin. Começou a acontecer em seguida um dos poucos bons momentos dos últimos meses infernais: eu ia atualizando meu client do Twitter e iam surgindo mais e mais pessoas desejando sorte e dizendo #voltadarwin. Fui sentindo uma sensação de reconforto inesquecível. E, claro, não recebi só mensagens bacanas, transbordando sabedoria. Vieram no meu Twitter e no meu e-mail mensagens sem noção, clichês e superficiais também. Como teria acontecido pessoalmente.

O fato é que, se você souber se relacionar, não vai mais precisar estar sozinho. Sua comunidade pode estar com você o tempo todo. Uma coletividade que te dá apoio mesmo estando separada por quilômetros. Um está trocando a fralda do filho, outro come um cheeseburger, o terceiro está na fila do dentista. Todos dando uma paradinha para twitar um incentivo e levantar seu humor.

Pro melhor e pro pior, você não está mais sozinho. Nem sempre vai ser bom e você precisa estar atento ao que é confortável para você e o que não é. Isso. Eles estão te observando. Eeeeeles. E dependendo das circunstâncias, isso pode ser muito bom.

Conte para os amigos!