Pessoas preferem ajudar cachorros em vez de gente

O artigo da Intelligent Life (revista do pessoal da Economist) não é novo, mas esbarrei nele por acidente hoje numa dessas buscas malucas no google: DOES ONE ABUSED WOMAN = 100 ABUSED PUPPIES?. Ajudar o próximo virou sinônimo de cuidar de cachorrinhos em vez de ajudar seres humanos.

Nos EUA, existem 3800 abrigos para animais maltratados e 1500 para mulheres que sofreram abuso. Gente é mais complicada do que animal… Allison Schrager, economista, fala da forma como as pessoas ajudam animais e não se preocupam com outros humanos. Cita o utilitarista Peter Singer e discute nossas, digamos, prioridades. Muito interessante.

Tem alguma coisa errada comigo (sim, estou falando por mim, claro. Não sei o que VOCÊ sente). Eu ando na rua, vejo um mendigo com um cachorro e fico fascinado pelo cão. Não sinto pena do cão. Sinto pena do homem. Mas é o cão que me fascina. Dói um pouco se olhar no espelho.

Conte para os amigos!