Quem joga sapatos?

Seguindo com a história dos sapatos lançados em cima do presidente Bush, um artigo do Times explica que, embora a ofensa tenha parecido patética para nós, tem lá seu peso para a cultura local. O artigo é mais engraçado do que bom, mas tem alguns momentos bacanas.

De qualquer modo, uma observação importante é que, se o tal sapatudo tivesse feito algo parecido durante a era Saddam Hussein, provavelmente teria sido trucidado.

(Eu falei sobre isso nos comentários do post anterior, mas vale repetir aqui. Como jornalista, me incomoda muito que um “colega” tenha quebrado o protocolo da profissão e tenha feito isso. Para que a imprensa possa ser livre e trafegar em todo tipo de ambiente, capaz de trazer informações para o público, é preciso cultivar a neutralidade a todo custo. Jogar sapatos e outros gêneros de protestos são um absurdo. O trabalho dele era ter feito uma pergunta decente, ter deixado o presidente em uma saia justa, eventualmente. Isso seria fazer seu trabalho como jornalista. Sapatadas são engraçadas e geram repercussão, mas não são parte da missão da profissão.)

Conte para os amigos!

Nenhum Comentário