Geopolítica venezuelana

Que Chavez quer ser (ou já é) uma força política e militar na América do Sul eu já saquei. Não precisa ser muito brilhante para entender os movimentos dele. Ao fazer isso, nos últimos anos, ele saiu daquela zona cinzenta em que se localizava antes.

Explico. Ao viajar e encontrar jornalistas venezuelanos, eu tinha pontos de vista bem particulares sobre Hugo Chavez. Ao mesmo tempo em que o achava fanfarrão, minha sensação era de que, por estar em confronto com famílias poderosas que tinham o controle dos meios de comunicação, era difícil saber o que era fato e o que era mito a respeito dele. E daí que tal jornal venezuelano falava mal dele? Se todas as minhas infos chegavam por meio de fontes viciadas, como eu poderia confiar nelas? Me sobrava a atividade de ter longas conversas com meus amigos reporteros venezuelanos.  E os resultados eram engraçados. Quanto mais alta a classe socioeconômica, mais eles o odiavam. Quanto mais, digamos, simples eram os meus colegas, mais eles gostavam do homem.

Acontece que, ao tentar expandir sua abrangência e virar uma força continental, Chavez saiu dessa zona cinzenta. Ele se mete nas questões de outros países, compra armas a dar com o pau, fala e fala e fala. Quer influenciar o processo, quer ser o sucessor de Fidel. Quer um monte de coisas. Tantas que um mandato não seria o suficiente. Criou, então, um sistema para perpetuar-se no poder.

Nos meses anteriores, o envolvimento de Chavez na negociação com as Farc já cheirava mal. Agora a coisa degringolou de vez. E no meio disso tudo, Chavez agora vira um leão numa questão entre Equador e Colômbia. Faça-me o favor. É razoável que todos os países façam pressão para que Bogotá peça desculpas formais e evite uma guerra. Mas que a Venezuela desloque tropas para a fronteira e cante de galo é só um retrato de um presidente sedento pelos holofotes e, eventualmente, por um conflito bélico que lhe confira ares de libertador, de guerreiro de sei lá o quê.

Leitores especialistas em geopolítica, por favor, me expliquem direito onde estamos e para onde vamos!

Conte para os amigos!